Tour de 5 dias em Loulé

5º Dia

Tour de 5 dias em Loulé – 5º e último dia. Há mais no Algarve do que apenas praias, as aldeias de Salir e Alte, situadas na serra algarvia, mostram um lado diferente desta região incrível, que é composta por colinas, castelos e cascatas. Planeei um dia inteiro apenas para explorar essas duas cidades, começando em Salir e seguindo para Alte.

A caminho do Castelo de Salir, parei na Fonte Benémola, uma reserva natural deslumbrante e uma das jóias mais escondidas de Loulé. Um riacho chamado Menalva atravessa esta área protegida. Menalva é fornecido por várias fontes de água, permitindo-lhe manter a água durante todo o ano. Durante o verão, um artesão senta-se perto do riacho a fazer cestos com cana, um material bastante comum nesta zona.

Seguindo a trilha de caminhada, é provável que encontre várias espécies de plantas e animais, tais como os coloridos maçaricos, tartarugas e sapos. Às vezes, é possível observar lontras na Fonte Benémola, mas é um fenómeno raro.

Mais a norte, visitei o Castelo de Salir, uma fortaleza almóada no meio da serra. O castelo foi construído durante o século XII e pertencia aos mouros até ser capturado pelos cristãos no final do século. Mais tarde, foi destruído num incêndio e, posteriormente, deixado em ruínas. Hoje, apenas uma torre e duas secções de parede permanecem deste castelo mourisco. Enquanto estiver aqui, não deixe de visitar o pequeno museu perto do castelo, onde pode encontrar vários itens que foram descobertos durante as escavações.

Fiquei em Salir para almoçar e comi no restaurante O Regresso. Depois do almoço, fui até ao Parque Nacional da Rocha da Pena. Situado entre as vilas de Salir e Benafim, esta estrutura rochosa tem uma altura máxima de 479 metros e estende-se por mais de 600 hectares. Escalada e caminhadas são as atividades mais populares na Rocha da Pena. A caminhada é cansativa no início, mas vale a pena o esforço uma vez que vai chegar ao topo do penhasco e apreciar as magníficas vistas com o oceano ao longe.

Na Primavera, encontrará muitas plantas a florescer na Rocha da Pena, especialmente orquídeas selvagens, mas também narcisos e peónias selvagens, todas adicionando camadas de cor a esta região montanhosa. Os visitantes que chegam no Outono ou no Inverno também serão recebidos por várias espécies de pássaros que migram para cá, incluindo os acentores alpinos e os melros. A aldeia da Penina e os moinhos de vento são alguns outros locais que deve conhecer, enquanto visita a Rocha da Pena.

Depois de completar a trilha continuei a minha viagem até à Igreja Matriz de Alte. Datada do século XIII, esta igreja local também é decorada com azulejos com figuras de anjos, a tocarem instrumentos musicais entre as nuvens. Do lado de fora, duas cruzes elevam-se acima do telhado do edifício, uma no topo da igreja e outra na torre do sino, onde um cata-vento também está a apontar na direção do mesmo.

Daqui, fui até a uma cascata conhecida como Queda do Vigário. Antigamente, a Queda do Vigário era um lugar popular para os moradores locais, que vinham banhar-se aos domingos ou feriados especiais. Hoje é frequentado por quem quer refrescar-se num dia quente de verão.

Para terminar o dia, parei no restaurante A Ponte para jantar, um restaurante informal que serve comida típica do Algarve a um preço acessível. Satisfeito com a minha refeição, voltei à Quinta do Freixo para passar a noite.

Mapa do percurso do 5º Dia do tour em Loulé





Inicio do Tour no Algarve | Dia Anterior do Tour no Algarve Dia Seguinte do Tour no Algarve